{ O que é ser filha }

Há pouco mais de três anos, quando só o que eu sabia era ser filha, eu escrevi sobre o que levei muitos anos pra entender sobre a maternidade. Talvez devesse deixar uma cópia pra facilitar pra minha pequenininha, daqui a uns 20 anos.

 

___

Ela chegava em casa e gritava pela mãe. Se não tinha resposta, corria até o guarda-roupa pra ver se ainda estavam lá os vestidos, calças e casacos daquela que devia ser a pessoa que mais a amava no mundo. Sempre estiveram, felizmente. Foi assim durante algum tempo. Tempo demais, quando se é criança.

As roupas dela sempre estavam lá. A mãe, não.

___

Eu não sou mãe. Eu não sei descrever o que é ser mãe. Só sei dizer sobre o que é ser filha.

Devia ser fácil, mas não é.

Ser filha é esperar que alguém a ame incondicionalmente. É querer colo – e ganhar sem pedir. É agradecer pela educação, pelos bons conselhos e por guiar a sua vida. É olharem nos seus olhos e saberem que você está mentindo, mesmo que não queira mentir. Mais que tudo, ser filha é aprender a viver sem isso.

A gente aprende que as mães não vão fugir. Que vão nos apoiar e estar sempre lá. Que vão amar igualmente todos os filhos. E nem sempre isso é verdade. Porque, veja só, as mães também falham. Ao contrário do que dizem as propagandas do início do mês de maio, o ser materno não é essa criatura mítica repleta de amor, bondade e cumplicidade durante as 24 horas do dia.

Mães têm seus próprios problemas. Mães têm contas a pagar, amigas chatas, chefes indóceis, além de suas próprias mães. E filhos não são sempre objetos de satisfação – talvez não sejam durante a maior parte do tempo. Mães são seres humanos, mas a gente não espera que elas errem com os filhos. Só que elas erram. E é um erro que dói mais que qualquer outro na vida.

Ser filha é aceitar a tarefa de perdoar essas falhas. E de, ainda assim, amar sua mãe mais que tudo.

 

___

Texto originalmente publicado em 11/05/2008, quando este blog era hospedado no Portal RPC.

  1. Liber Paz’s avatar

    Puxa, e agora eu não posso mais dar “share” e “liked”… maldito google reader! :-(

    Gostei bastante desse teu texto. Gosto de ver essas transformações na vida da gente. Como a gente acaba tendo várias vidas em uma, né? Antes vc era só filha, agora é mamãe. Várias vidas, vários papéis… será que a gente continua sendo a mesma pessoa?

    Ah, essas coisas intangíveis que chacoalham (e maravilham) nossas almas…

    Bom te ler de novo.

    Bjs e td de bom!

    Responder

  2. lidiane andrade’s avatar

    Pois, veja bem… Você (re)escreveu esse bem, no dia do texto que eu escrevi pra minha que “nem gostou”. mas, sabe, eu entendi perfeitamente o que você quis dizer. O mundo nos ensina a esperar demais das nossas mães, a esperar perfeição e não é assim, porque não dá pra ser assim. Nada pode ser perfeio se houver perfeição… acho que é isso. Chorei, talvez por esse texto ser lindo, talvez por eu ser mole, ou talvez pela ocasião em que o leio. Beijo pra você, amiga que gosto tanto…. E emoldura isso aí no quarto de Alice.

    Responder

  3. Mariana Calza’s avatar

    Lindo texto como sempre… Faz tempo que não passo por aqui estava com saudade!!! Ser mãe deve ser demais… e ser filha requer cuidados, agora, depois que perdi meu pai, me esforço para ser uma filha melhor para minha mãe. Ah, tem texto novo no meu blog. Bjssss

    Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *