{ Mulherzinha }

A mulher resolveu que devia ser independente. Trabalhar, ganhar seu dinheiro, ir pro bar, tomar anticoncepcional, dormir com passantes, essas coisas. Mas não fazia idéia do tamanho da confusão que isso ia criar. De modo geral, mesmo trabalhando fora, a mulher não pôde abandonar o papel de responsável pela casa – e mesmo que tenha uma diarista ou afins, quando a casa cai a culpa é dela. Não pôde deixar de ser a principal responsável pelos filhos, mesmo que os homens ajudem. E, mesmo que tenha conseguido achar uma diarista ótima e um pai perfeito, ela se culpa por não fazer todas essas coisas sozinha e bem, porque um dia, lá nos primórdios, disseram que ela devia ter um marido e cuidar direitinho dele e das crianças. Motivo da infelicidade: culpa.

Quando a mulher decidiu se “libertar”, não sabia que teria que criar seu próprio modelo. Ela vai ser diferente da mãe, da avó, da bisavó. Ser independente é completamente masculino, então, o que fazer? Pegou o homem como modelo. E, ao invés de copiar só o que é bom, copiou tudo. Decidiu ser canalha como o cara que não liga no dia seguinte, só pra não sofrer. Sofrer é coisa de mulherzinha, não se esqueça. A mulher que não sente culpa por abstrair dos assuntos domésticos provavelmente está nesse grupo. Motivo da infelicidade: meninas e meninos são diferentes – e essa história de “todo mundo é igual” é conversa de ativista gay.

Meu ponto de vista é que a mulher não sabe pra onde ir. Não é feliz sendo masculina, não é feliz sendo feminina. Sim, porque ai da moça que hoje chegar em casa e disser “a partir de hoje eu vou ser do lar”. Os amigos ficam horrorizados, o marido desconfia e, bem, a mulher sente culpa por não trabalhar fora e ser independente. Pra não me ater só às mulheres, os homens também não sabem como lidar com essa nova mulher. Mas acho que eles se sentem menos pesados ao saber que não são os únicos provedores da casa. A mulher aumentou a carga de responsabilidade dela e aliviou a masculina.

Mulher não é feliz só tendo sucesso na vida profissional, não é feliz só sendo uma perfeita dona de casa e, quando tem as duas atividades, a probabilidade de ter um nível de satisfação razoável nas duas é quase nula, porque, ainda por cima, homo sapiens fêmea invocou de ser detalhista e perfeccionista.

Esse negócio de liberação feminina até pode ser coisa de gente inteligente. Mas, ah, a ignorância é uma benção.

  1. Lobão’s avatar

    Eu seria um homem do lar. Sem peso na consciência. :)

    Responder

  2. JulioHM’s avatar

    “ao invés de copiar só o que é bom, copiou tudo”

    falou tudo nessa frase :D

    Responder

  3. lidiane ANDRADE’s avatar

    É, fia, ser mulher é foda. E quando se tem filhos, aí é que ferrou mesmo….. Aí, a roupa pra lavar dobra…. rsrsrrsrs Mas eu tou meio que me sentindo assim, acho que théo tá revoltado porqeu eu passo o dia inteiro trabalhando muitas vezes chego ele já tá dormindo e d emanhã ele não aceita nada do que eu digo….. mas aí eu me lembro que ele já era assim e que deve tá piorando pórque ele tá crescendo e ador de cabeça cresce jutno com ele. mas a culpa, sempre a culpa, de não ter mais tanto tempo pra eles, nem pra casa, nem pro marido, nem pra mim. Ó dúvida cruel….

    Responder

  4. Sil’s avatar

    E vc traduziu exatamente o que tô passando e iluminou minhas idéias: escolhi ser do lar, mãe e voltar pra facul!
    Obrigada pelas palavras!

    Responder

  5. Guilherme’s avatar

    Eu gosto do seu texto….

    Responder

  6. Marina’s avatar

    Adorei seu blog Lê. Um dia eu tive um desses… divagando sobre assuntinhos, mas desisti. Que bom, agora tenho o seu pra ler de vez enquando :)
    Aliás. Eu acho que se as mulheres voltassem a ser donas de casa acabaria o desemprego no mundo.
    Mas eu nunca deixaria de trabalhar hehehee
    Beijo lindona!

    Responder

  7. Maria Angélica’s avatar

    Gostei do seu texto…lerei sempre!

    Responder

  8. Rodrigo Domit’s avatar

    Infelizmente, para o desgosto das linhas de frente, depois de tantos anos, de tantas batalhas pela igualdade, resolveram nivelar por baixo

    Responder

  9. Ludmila’s avatar

    Bem. Crise é oportunidade, né? Se hoje em dia os papéis estão bagunçados, então vamos aproveitar para organizá-los de um jeito que seja bom para todo mundo.

    Talvez a mulher precise aprender a abrir mão de certas responsabilidades (do lar, de ser bela, de dar conta de tudo). Talvez aí a culpa vá embora.

    Talvez a mulher não seja feliz sendo “feminina”, nem “masculina”, porque todos nós somos um misto dessas características, e a sociedade fica nos obrigando a escolher um lado só. Eu sou toda misturada e funciona pra mim.

    Abraços!

    Responder

  10. 3illie’s avatar

    Por essas e por outras é que eu sou lésbico. Admiro as mulheres também por elas aguentarem umas que nós não daríamos a mínima ou empurraríamos com a pança.
    Parabéns pelo blog mais uma vez, feliz 2010, bom carnaval atrasado, parabéns pelo dia das mulheres e um beijo com sabor de brownie com sorvete. ^^

    Responder

  11. 3illie’s avatar

    a propósito, gostei do desfecho punk pro post revoltz (ignorance is bliss, ramones) :*

    Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *