{ Há algo de mal }

Então tem essa história do Chega de Fiu-Fiu. E eu vejo muitas muitas mulheres replicando o assunto, compartilhando, e os homens insistindo em dizer que não há nada de mal. Há algo de mal. Preste atenção: é isso que 83% de nós, mulheres, queremos dizer.

Nós estamos contando a vocês que não queremos ser abordadas na rua com linda-gostosa-fiu-fiu-princesa. Estamos bradando a quatro ventos que achamos um absurdo vocês se esfregarem na nossa bunda sem nosso consentimento. Estamos gritando que não queremos ser seguidas por quadras. Estamos dizendo que não queremos pensar na roupa que vamos usar pra não sermos estupradas.

Não adianta você dizer que é um elogio. Dizer que quem canta é só um babaca – e, coitados, os babacas merecem o céu, por certo – também não resolve. Defender que um babaca é bem diferente de um estuprador também não ajuda, visto que eles não costumam usar crachás. Sabe a história do vidro aberto no sinal, à noite? Ninguém proíbe, mas todo mundo sabe que não deve (ainda que não aconteça nada em grande parte das vezes). Isso é ser mulher. Todo o tempo. Cansa, sabe.

Mas esse homem que diz que não há nada de mal aprendeu que “não” quer dizer “sim”. A moça está aqui gritando que não, mas é tudo fingimento pro papel de boazinha. Esse cara que agarra à força, ainda que “só” roube um beijo, é “só” um babaca. Porque minha boca não deve ter valor nenhum nesse mundo. Meu corpo é só mais um. Nem encostou no peito, é só um babaca. Pra que eu reclame tem que, pelo menos, ter tirado a minha calcinha.

Não serve de nada levar a discussão a tópicos como então-querem-proibir-a-cantada. Queridos, não há projeto de lei no Senado pra isso. Não diga que mandar o sujeito à merda resolve, quando 82% das mulheres que responderam a pesquisa disseram que já foram agarradas à força na balada. Ou você acha que elas não tentaram isso? Faça o exercício: pergunte a suas amigas se elas se sentem acuadas quando ouvem essas coisas tão bonitas enquanto andam na rua.

Ah, cantada, essa coisa inofensiva que só é feita quando não há nenhum outro homem por perto. E que você não gosta que façam com sua mãe ou sua irmã. Mas não há nada de mal. E por que é que vocês querem tanto sair na rua dizendo quem é bonita? Existe um cargo de crítico de beleza, com salário e carteira assinada, que vocês não querem perder? Se você achou uma mulher linda e só quer comunicar: não precisa. Ela não vai ficar triste por isso. Sonhe com a moça à noite, mas não precisa dizer pra ela. Ninguém tá aqui pra enfeitar o mundo (ainda que o faça).

Quem bate nunca sabe o quanto doeu. Pergunte a quem apanha.
Ouça a resposta.

__

Reclamei brevemente sobre esse assunto aqui, em 2011.

  1. Lidiane Andrade’s avatar

    Isso me lembra, quando eu tinha uns dez anos, uma história que aconteceu com a irmã de uma amiga minha da escola. A menina, aos 13 anos, entrou em pânico e desistiu de ir à escola porque naquela semana em questão, um cara começou a abordá-la todos os dias numa rua próxima… Naquele tempo, eu não entendia bem o que era aquilo, mas já percebia que era pelo fato dela ser mulher e dele ser um homem que se achava no direito de fazer aquilo justo por ela ser mulher e ele ser homem.

    Muita gente acha que é normal, mas não, não é, É só que a gente se acostumou com isso e se acostumar com algo não significa que isso seja bom, porque a gente se acostuma com tudo, inclusive coisa ruim.

    Tem mulher que gosta? Claro que tem! porque ela cresceu aprendendo que isso é lisonjeio e, olha, não é.

    Ontem mesmo eu tava aqui, no trabalho, e , da minha mesa pra rua, tem uma imensa parede de vidro transparente. Fica numa rua movimentada. E aí que eu tava toda concentrada no computador quando passo a ouvir insistentes assobios. Fui olhar pra ver o que era e eram 2 caras num carro, me oferecendo uma bebida lá que eles tinham e me fazendo gestos obscenos.

    Simplesmente virei o rosto, porque sabia que daquele carro eles não sairiam pra me importunar.Mas imagine se eu estivesse na rua?

    Pois é, tem cara que acha isso normal. Com a mulher dos outros. Eu costumo dizer: imagina se fosse sua irmã, sua mãe, ou sua mulher?

    Responder

  2. Lidiane Andrade’s avatar

    “Quem bate nunca sabe o quanto doeu. Pergunte a quem apanha.
    Ouça a resposta.”

    genial

    Responder

  3. Líber’s avatar

    O argumento “imagina se fosse com sua mãe, sua irmã ou sua mulher” me parece que só escancara ainda mais a lógica de pensamento machista: mulher é objeto, não é ser humano. quando se põe a mãe na jogada, ela é sacralizada, não pode ser jamais maculada com “grosserias” ou com qq alusão ao sexo ( daí que filho da puta é um grande insulto). A irmã e a esposa devem ser protegidas porque são propriedades do macho. Me parece que nossa cultura é fortemente construída em torno do sexo e das relações de poder que se estabelecem.

    Responder

  4. Marcelo Pires’s avatar

    Bom, acho que estão sendo radicais, violencia pra mim está fora(inclusive moral e verbalmente), porém o mundo está querendo ficar muito politicamento correto e não se pode fazer mais nada. Uma cantada inofensiva de uma pessoa que conhece a vida de uma maneira mais humilde as vezes pode parecer inconveniente para muitas pessoas porém na verdade é o jeito que ela conhece a vida. Quem somos nós para dizer se esta certo ou errado( podemos dizer se gostamos ou não) e não ir pela maioria. Acho a mulher o ser mais perfeito que deus fez, só que as vezes ela quer se comparar ao homem e deixa de ser esse perfeição que ela tem em sua essência.
    Obs: apesar ser homem acho que sou feminista, pois gosto muito de mulher e não gosto de comparar alhos com caralhos….

    Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *