{ De antigamente aos dias de hoje }

Eu acho engraçada a tal evolução das coisas.

No princípio, o homem tinha que correr atrás da caça quando queria se alimentar. Não devia ser uma coisa muito divertida de se fazer, especialmente quando se está com fome. Mas era assim que funcionava. O ser humano era nômade – quando acabava a comida em um lugar, ele catava suas coisas e seguia o trecho.

Até que, um dia, alguém (reza a lenda que foi uma mulher) descobriu que dava pra fazer uma hortinha ali do lado de casa, e ninguém mais precisava se mudar. Pra quê! A mulher passou a ficar em casa, cuidando da plantação, enquanto o marido ia caçar.

Concordo que uma coisa mudou há pouco nessa linha de evolução: o fato da mulher ficar tomando conta da casa e das crianças enquanto o homem bota a comida na mesa. Mas isso é assunto pra outro dia.

Eu sei lá quem foi o primeiro maluco que se arriscou a tanto, mas o fato é que algum corajoso resolveu montar num quadrúpede qualquer e aprendeu que era possível domar cavalos, mulas, jegues, camelos e até elefantes. E logo o ser humano quase não andava mais a pé: subia na sua montaria e ia fazer o que devia ser feito.

Li um texto do Drauzio Varella no fim do ano passado que dizia que o ser humano é preguiçoso por natureza. Se existe a possibilidade dele não fazer alguma coisa, ele não fará – especialmente exercícios físicos. Hum. Está explicado.

Depois disso vieram automóvel, batedeira, vidro elétrico, liquidificador, máquina de lavar, controle remoto, disque-pizza. Tudo para você se movimentar o mínimo possível. Porque, resumidamente, a tal de evolução nada mais é inventar um jeito novo e prático de você não fazer absolutamente nada.

Dizem que a necessidade é a mãe da invenção. Discordo. A preguiça é que dá origem a tudo.

Numa tarde qualquer dessas, eu me ponho em frente à televisão e vejo um canal desses de venda pelo telefone. Esteiras, aparelhos para auxiliar na feitura dos exercícios abdominais, bicicletas ergométricas, “uma academia em sua casa!”. Me caiu a ficha: por que a gente faz tudo pra economizar o gasto de caloria se, depois, vai ter que inventar um jeito novo de gastá-la?

Por que evita baixar o vidro do carro com a tecnologia da manivela e não levanta pra trocar o canal da televisão se, no final das contas, vai se matar na academia durante duas horas, pulando feito besta numa caminha elástica? Mais que isso, por que agora que não é mais preciso passar fome, tem tanta gente sem comida e um outro tanto que tem o que comer mas não o faz porque está de dieta?

Essa evolução não parece fazer muito sentido pra mim.

___

Publicado originalmente no jornal Hora H, de Curitiba, em 15/2/2006.

___

Eu queria escrever sobre o rodeio das gordas da Unesp , mas não vai dar tempo agora. Se essa barbaridade ainda for assunto semana que vem, faço um post. Eu só queria que tratassem os culpados como boi por um dia – com direito a castração.

  1. Liber’s avatar

    Sobre evolução e tal…

    Uma vez eu vi uma tirinha do Calvin em que ele perguntava pro Haroldo “Afinal, como descobriram que dava pra ordenhar vacas? Quer dizer, quem foi que olhou pra vaca, foi lá e…”

    Bem, você entendeu…

    Bjs!

    Responder

  2. caso me esqueçam’s avatar

    meu sogro costuma dizer que o preguiçoso trabalha mais. percebi isso num shopping ha uns anos. andamos metade do shopping pra chegarmos ate as escadas rolantes – quando as escadas sem frescura estavam bem ao nosso lado.

    Responder

  3. Lidiane Andrade’s avatar

    Eu ando me sabotando pra não ir à academia…. rsrsrsrsrrsrs
    Mas texto bom… mas acho que minha hortinha morreria de sede!

    Responder

  4. Carola’s avatar

    Haha! Mto bom esse texto, Le! Pois é, mas pra mim, eu me dou um desconto, pq sou só uma pra ter que sair caçar e cuidar da horta, aí né, acho bem justo umas facilidades aqui e ali! Rsss!!

    Responder

  5. Bia’s avatar

    Lê, estou deixando o carro na garagem desde fim de dezembro. Não por mérito, mas pq não queria estragar o carro por falta de manutenção básica e o mecânico tirou férias.
    Começar o ano ‘caminhando contra o vento’ foi tão legal que o carro está parado até agora e eu, com 3kg a menos, estou morrendo de preguiça de ir no mecânico e deixar lá umas 300 pratas pra trocar óleo, filtros, e outras coisinhas mais.
    Sei que essa felicidade tem prazo pra acabar, afinal carro estraga se ficar parado. O problema é que o carro andando significa eu parada…

    Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *