{ Conversa }

Era uma menina miudinha. Abraçava a boneca de cabelo desgrenhado enquanto falava.

“Eu tenho um namorado, tia. Um não, eu tenho dois.” Dei risada, ela também. “Eu gosto mais de um, mas o outro veio e disse que gosta de mim, então eu namoro ele também”.

Achei engraçada a lógica filantropo-amorosa. Se alguém gostava dela, como não corresponder? Chegou o prato de sopa e ela encheu a boca. Falou cuspindo a comida. “Mas eu já sei com qual eu vou casar, tia. Eu vou casar com o mais bonito!”

Devia ter uns seis anos. Vida boa: mal sabia ler, já tinha dois namorados. E sabia com qual casar. Faria inveja pra algumas amigas minhas. Tagarelava mastigando, a boneca caída no chão. “O que eu gosto, tia, é da minha classe. Ele me empresta o lápis de cor quando eu preciso e disse que gosta de mim, mas eu não vou casar com ele porque vou casar com o outro”. Danada de ligeira.

Falava mais que o homem da cobra. Matraqueava tanto que não sei como conseguiu esvaziar o prato tão depressa. Eu quis saber do outro. “Ah, ele veio um dia e falou que eu ia ser namorada dele pra sempre.” Catou a boneca do chão. Perguntei se ele era da escola.

“Não, tia, eu vou casar com meu pai. Ele vai me dar um neném, sabia? Ele que disse.”

A sirene tocou e a turma saiu correndo. Nunca mais eu vi a miudinha.

  1. JulioHM’s avatar

    Cadê os desenhos legais pra dar vida ao texto?

    Responder

    1. Letícia Simoni Junqueira’s avatar

      Calma, calma. Infelizmente, a Chan não é paga pra desenhar aqui. :(
      Mas ela volta.

      Responder

    2. Isa’s avatar

      Sensacional, Letícia!
      Sempre me surpreendendo, desde o primeiro texto que li :)
      Bom sempre vir aqui e animar meu dia com suas palavras =)
      Boa segunda!
      Beijão!

      Responder

    3. Liber’s avatar

      Olha, li duas vezes.

      Tá bem escrito, bem lapidado.

      Ainda não sei se entendi direito. Mas se for o que eu entendi, achei sinistro. “… vou casar com meu pai… ele vai me dar um neném…” Se esse lance sinistro for coisa da minha cabeça e essa for só uma história bonitinha e inocente, ok.

      Mas se houver um lance sinistro e essa ambigüidade for intencional… bem, aceite um forte aperto de mão, uns tapinhas nas costas e um “mandou bem pra caralho”.

      Continue com o bom trabalho.

      See you.

      Responder

      1. Letícia Simoni Junqueira’s avatar

        bem, eu que não vou contar, né? ;D
        brigaaaaaada!

        Responder

      2. Sil’s avatar

        ctrl c + v do que o Liberos disse.
        uh.

        Responder

      3. Carola’s avatar

        Hahahahaha! Ai meu Deus! Cada vez mais precoces essas meninas! Danada de ligeira! A Mila por enquanto só tem amiguinho, até o que eu sei, e ela já tem até uma melhor amiga de infância! Rsss! Bjos!

        Responder

      4. Ana’s avatar

        O fato de eu ter pensado “aiai, essas crianças…” quando acabei de ler me faz mto velha, será?

        Ps: queria assinar o RSS do seu blog, mas o link que tem pro feeder aqui não tá funcionando…

        Responder

      5. Liber’s avatar

        Oi

        Você falou sobre o twitter: procura por liberoptimus. Só que eu não sou um tuiteiro assíduo…

        Responder

      6. Patty’s avatar

        tão bom ser criança…

        Responder

      7. Lidiane andrade’s avatar

        Se foi bom como entendi, que foda o texto… E que foda ter que ouvir isso e não poder fazer nada. S e era coisa inocente, ufa, que bom. me diz qual é a deste texto, qual a real. Mas mesmo assim, muito bem escrito, que sutil…

        Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *