{ Anima Mundi }

Não sei porque animações me fascinam tanto. Ou teatro de bonecos. Acho que gosto da sensação de tudo ter vida própria – até o que não existe.

Eu gosto de limpar a mesa de vidro e ouvir aquele barulhinho, como se a mesa tivesse cócegas. Quando dou sinal pra mudar de faixa no trânsito, eu ouço o “tic-tic” da seta e imagino o carro dizendo “dá licença, dá licença” (como a gente faz no meio da balada, carregando a cerveja, a comanda e o amigo bêbado). Eu guardo meus livros do Veríssimo ao lado dos da Clarice Lispector, que é pra ver se ela se diverte um pouco, coitadinha.

Gosto de pensar que as histórias se escrevem sozinhas, que bonecos se mexem sem ajuda e que cachorros discutem a relação, como nesse aqui. Devo ter uns cinco anos e não percebi.

  1. Sil’s avatar

    Eu acho que as primeiras folhas de outono que caem são depressivas e ficam lá sozinhas no chão chorando e implorando por companhia. Daí quando vejo a grama forrada de folhas amareladas ou marrons me sinto melhor porque sei que agora elas não estão sozinhas e passarão o outono juntinhas.
    Também acho que o vento conversa com as plantas, trazendo as últimas novidades lá do meio do oceano…
    Patológico, né?!

    Responder

    1. Letícia Simoni Junqueira’s avatar

      Será que tem cura?

      Responder

      1. Sil’s avatar

        Sinceridade? Tomara que não!

        Responder

      2. Carola’s avatar

        Hahahahaha! Imagina só quando vc tiver filhos e passar a assistir muito desenho animado por causa deles! Vai ficar que nem eu! Eu penso o tempo todo nos diálogos dos filmes, o tempo todo! Sempre tem alguma palavra ou frase que eu acabo usando no meu dia a dia! Hahahaha!

        Muito boa essa do Veríssimo junto da Clarice, é verdade! Ela precisa mesmo dar umas risadas de vez em quando! Hahahaha!

        Le, acho que não tem cura não!

        Bjs! Boa semana!

        Responder

      3. Tina Lopes’s avatar

        Nossa, faço de tudo isso, um pouco. E ainda cubro as bonecas da minha filha, disfarçadamente, quando está frio. Entre otras locuritas. E nunca deixo o Bukowski perto da Simone de Beauvoir, por exemplo. Minha estante é arrumada pela possível empatia entre os autores.

        Responder

      4. marina’s avatar

        eu tenho certeza absoluta que os cachorros conversam… ”hey, vamos cavar um tunel ali do lado do muro?” ”otima ideia cao amigo vamos la!” . E as plantas com os passaros tb.. ”to cheia de sementes novas pra espalhar porai”. ” oba vou esconder em um lugar secretissimo q neu eu vou lembrar”… muita doença isso!!!! Hahaha

        Responder

      5. Isa’s avatar

        Que texto ótimo pra ler, Le! E, sim, poucas pessoas são capazes de enxergar vida onde não existe, deve ser por isso que elas são mais felizes =)
        Mantenha isso sempre com você :)
        Beijão!

        Responder

      6. Lana’s avatar

        hahaha que legal, nunca pensei nessas coisas…

        Responder

      7. JulioHM’s avatar

        I could’ve been on it.
        I SHOUD’VE BEEN ON IT!

        Responder

      8. Uli’s avatar

        Mas convenhamos, um mundo onde objetos inanimados imperam, que tristeza sem fim!
        Meus vasos de temperos têm , também “plantados”, miniaturas de gnomos, duendes e até a Pocahontas e o pai dela, brinquedos que herdei da minha prima caçula. Eles ficam lá, de lanças indígenas nas mãos, defendendo a plantação. Meu açucareiro é transparente e tem uma colher de bambu sempre espetada bem no meio. Meu farol numa ilha de areia branquinha! E costumos comprar coisas (canecas, enfeites, canetas, you name it) sempre em pares, pra não dar tristeza na peça solitária.
        Essa prosa toda me lembra o amigo que morava em Foz do Iguaçu e guardava a coleção de pinguins na geladeira, pra eles não morrerem de calor.
        Por isso Toy Story faz tanto sucesso!
        Beijo

        Responder

      9. lidix’s avatar

        Lecs!!!!! Você é tão louca quanto esta que vos escreve…. hahhahahhaa nem te falo, eu ainda além disso tudo aí que vc escreveu, fico discutindo comigo mesma, rarrarararararrarara. DOIDA que eu sou…. mas agora mais confortável, sei que não estou sozinha. Ah, eu vou te falar, eu deixo meu livro pequeno pricicpe bateno papo etreno com o harry potter… beijo….

        Responder

      10. Cecília M.’s avatar

        ai, tadinha da Clarice!

        eu tb invento sobjetividade pra minha cachorra, é ótimo.

        Responder

      11. Sandra’s avatar

        ÓTEMO
        Pq vc me deu essas ideias? Agora foi precisar fazer um quebra-cabeça pra guardar livros….fiquei com pena da Clarice tb :(
        E se eu desenvolver um TOC ?
        Não leiO mais seus textos ;P

        Responder

      12. Isabela Juliana’s avatar

        Oi Letícia! Parabens pelo BlogBooks!
        Não conhecia seu blog, mas resolvi vir conhecer a vencedora!
        Amei seus textos! Fui lendo um atrás do outro.

        Parei pra comentar nesse aqui pq achei tão familiar… (não que não tenha me identificado com outros tb…)! Desde pequena sempre fui de imaginar que tudo tem vida! Os números.. as cores.. os objetos… Tudo tem gênero, personalidade….

        As pessoas devem me achar meio louca, mas, quer saber? Eu não to nem ai! E é tão bom ver que tem mais gente assim!

        Beijo pra vc! Vou passar mais por aqui! ;)

        Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *