{ Run, Forrest… run! }

Cuba. Portugal. Chile. Pra onde você iria, agora, se pudesse?

Parecia um bom dia para viajar. Gostava de dias assim, em que acordava e pensava que podia estar na estrada. Então, entrava no carro e dirigia. Nem sempre tinha rumo. Nem sempre queria chegar a algum lugar.

Queria conhecer Cuba. Desde que começou a ler Pedro Juan Gutierrez e descobriu um mundo diferente do que ela conhece. Se pudesse, não acabaria essa frase e iria pra lá. Mas não pode, há coisas a fazer aqui – coisas que ela inventou, é verdade. Mas não pode ir a tão longe agora. Daqui a um tempo sim.

África do Sul. Dinamarca. Tailândia. Aquela água cor de bolinha de gude, que nunca imaginou sair daquela esfera de vidro. Um sem fim de mar, todo colorido, todo transparente. Vai entender.

Nem sempre ela sabia pra onde ir, na verdade. Não só quando escolhia um destino ou uma rodovia para dirigir. Ligou o carro. Olhou o cabelo penteado refletido no espelho retrovisor. É bom curtir o caminho. Mesmo que não se saiba aonde chegar.

Aumentou o volume do rádio. A liberdade de ir a qualquer canto do mundo, desde que quisesse (e roubasse um banco). Odiava quando completava as frases de maneira a trazê-la de volta ao mundo real. Gostava mesmo era de pensar que podia fazer o que quisesse, inclusive mudar o mundo. E pessoas.

Não é preciso motivo pra fazer alguma coisa, mas ela queria conhecer uma guerra de perto. Haiti. Líbano. As pessoas se transformam em tempos difíceis. Queria conhecer um pouco da dor, aprender com quem sofre tanto. Ajudar a contar uma história. Fazer parte de uma.

França. Inglaterra. Itália. Ver de perto se é verdade que Paris é uma “merde”, como chegaram a dizer. Aquele tempo todo de história logo ali, ao ar livre. Tanta gente diferente, tomando sol de biquíni no parque – tomando sol sem biquíni no parque.

Dirigiu durante toda a tarde. Até o sol cair e ela pensar que, lá no Japão, o amigo devia estar acordando para trabalhar. Assim como a moça que lê os textos dela e que ela não conhece, mas que tem um sobrinho muito fofo.

Afeganistão. Namíbia. Austrália. Qualquer lugar bem distante daqui. Dirigindo, foi o mais longe que o tempo permitiu. Foi – e voltou. Porque estava presa aqui (e era por isso que queria tanto fugir).

Queria ir pra muito longe, pra esquecer o que está muito perto.

***

E só pra eu não me esquecer de porque eu gosto tanto de Los Hermanos: “mas não me peça para amar outra mulher que não você…”.

(às vezes, a gente ama tanto que dói).

Ou, em outras palavras: fuja, louco!

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *