{ Visitas noturnas me tiram o sono! }

“O descanso é coisa boa ….para os mortos.” – Thomas Carlyle

Clic. Liguei o abajur. Já passa das três da manhã e – muda, vira, rola – o sono insiste em espiar da sacada. Está lá, fazendo micagens enquanto grito pra parar de palhaçada e entrar logo. Não adianta.

A gata, ao meu lado, dorme tranquilamente. Observo a barriga subir e descer, acompanhando o ritmo da respiração. Eu nem respirava mais. Só sabia que o ar entrava em meus pulmões porque continuava viva.

Droga. Quebro mais uma unha. Impressionante a falta de capacidade em conseguir pegar no sono. A cadeira de balanço, ao lado da cama, se movimenta sozinha. Mais um dos fantasmas que insistem em fazer visitas. Eles morrem e resolvem tomar chá de madrugada no meu quarto. Pelo menos esse estava quieto – não gosto das grandes festas que eles promovem sobre a minha cama.

(Lá no céu, São Pedro precisa vigiar melhor seus hóspedes. Ou no inferno, sei lá. Achei que havia um controle de entrada e saída de habitantes. Puá. Não existe burocracia no pós-vida – ou pós-morte, sei lá.)

O sono resolve bater um papo com o nada que ocupa a cadeira de balanço. Eu mereço. Será que dá pra vocês calarem a boca que eu estou tentando dormir?

Clic. Desligo o abajur. O blablablá ao lado continua. Malditos. Quando eu me for desse mundo, terei uma conversa muito séria com o responsável das almas no além.

Silêncio, ufa. Finalmente ficaram quietos. Agora só falta o sono se chegar. Fecho os olhos, respiro fundo…

Tic. Tac. Tic. Tac. Tic. Tac. Tic. Tac. Tudo incomoda. Até a cadeira de balanço, agora vazia e parada. Os mortos insistem em reviver e voltar ao lugar de onde vieram. Talvez porque nunca pertencerão realmente ao meu quarto.

A gata continua dormindo. Os passarinhos começam a cantar lá fora. A cadeira de balanço se mexe, uma última vez. Ele sempre se vai quando o dia amanhece.

Triiiiiiiiiiim. É hora de acordar e voltar ao mundo em que as pessoas existem de verdade. Pessoas que aparecerão durante o dia e irão embora antes do amanhecer. Por favor, tragam seu próprio chá. E falem baixo, por favor. Estou tentando dormir.

***

Teoria sem sentido do dia: não que o vizinho de cima tenha o hábito, mas vocês já tentaram ouvir música escocesa? Gaitas e mais gaitas de fole, um sonzinho insuportável de se ouvir por mais de dois minutos seguidos. Minha vizinha de mesa no trabalho escuta. Deve ser por isso que o uísque dos escoceses é o melhor…

Saiam! Saiam!

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *