{ Desculpa de manco é muleta }

Qual é, exatamente, a diferença entre dar uma explicação e dar uma desculpa qualquer?

Explicar… complicado. Talvez seja, basicamente, que a explicação é a verdade, e a desculpa é fruto de um processo imaginativo, desencadeado por uma situação de pressão, desenvolvido no cérebro do ser humano – muito provavelmente em apuros.

“Cheguei atrasado porque o ônibus quebrou”. Puá, desculpa. “Eu tentei te ligar, mas ninguém atendeu”, com as variáveis “mas estava ocupado”, “mas me disseram que você não estava!”, acompanhado de um impiedoso “não te deram meu recado?”. Rá, é blefe. Qualquer coisa que você diga para tentar se explicar invariavelmente adquire o caráter de desculpa. Pior: desculpa barata, esfarrapada, troncha, deslavada, “essa é velha!”.

Mesmo que realmente sua história seja verdade, a possibilidade de alguém acreditar em você, deixe ver, ahm… bem… hum… é zero.

O segredo é ter esperança. Sempre acreditar que vão acreditar em você. Dar explicações, mesmo que os outros não acreditem nelas, é prova de que você tem um mínimo de consideração com o próximo.

(Aproveito-me deste momento de reflexão para explicar o motivo de minha ausência tão prolongada. De folga no meu trabalho habitual, costumeiramente noturno, aproveitei para trabalhar durante o dia – preciso juntar grana ou Cuba não verá minha cara ano que vem!

Local de trabalho: região metropolitana de Curitiba.

Tempo gasto com transporte: 1h25min pra ir, mais 1h25min pra voltar. Total do dia, 2h50min.

Jornada de trabalho: 8h40min mais uma hora de almoço, de segunda a sexta.

Isso significa que saio de casa às 6h30 e volto quase às 20h! Sem internet em casa! Sem internet no trabalho! Aaaaaaaargh! Por isso a dificuldade para postar. Aceito doações de modems!)

Mas cuidado! Desculpas bizarras podem surtir um efeito devastador no relacionamento interpessoal!

“Ahn, não posso sair hoje porque preciso ajudar minha prima a relaxar os pequenos músculos do couro cabeludo” não vai cair bem. Ver o neném da vizinha da manicure, ajudar a bisavó a colocar bobs no cabelo e organizar uma competição de cuspe não são motivos bons o suficiente para serem tema central de uma desculpa.

E se não acreditarem nas suas explicações – mesmo que verdadeiras – sempre dá pra pedir desculpa.

Desculpa!

Escrito em 13/07, na hora do almoço . Quero ver é postar!

Tá ruim mas tá bom!

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *