{ Fábula do Hexa }

“A Copa do Mundo é nossa, com brasileiros não há quem possa”. Não, não há. Ele sabia disso quando separou sua camisa da Seleção, guardada especialmente para a ocasião. A mesma da Copa de 2002, a mesma do Penta. Em 98, ele preferiu vestir uma camisa nova ao invés da usada em 94, no Tetra. Deu no que deu. Tudo culpa dele.

Mas isso não aconteceria agora. Seriam seguidos os mesmos passos de 2002 e 1994, exceto por um problema: nas duas Copas, ele estava morando com alguém a quem ele chamava de “meu amor” – hoje ela é a “mal-agradecida”. Uma esposa, embora não fossem casados – a mãe dela diria “amasiados”. Independentemente do status do relacionamento que tinha na época, sempre assistiu aos jogos junto da bem-amada. E agora, a uma semana da estréia do Brasil na Copa, era um homem solteiro. Ah não.

Ele tentou impedir a saída dela de casa. “Você não pode me deixar. Não agora. Espera a Seleção voltar com o Hexa, aí a gente termina”. Era pedir demais? Ela era mesmo uma traidora da pátria, alguém que não se importava com as glórias da nação em que vivia. Maldita.

Agora era tarefa dele encontrar alguém para dividir o mesmo teto. Em uma semana. Qualquer pessoa com sentimento patriótico entenderia e aceitaria morar com ele, beijá-lo nas comemorações de gol, deixar a cervejinha para gelar, fazer cafuné para acalmá-lo, pular com ele ao fim de cada jogo. Manter as tradições. Nada demais.

Ao fim da Copa, ela voltaria para casa e eles nunca mais se veriam – e então ele teria quatro anos para procurar uma nova companheira.

Uma semana. Parecia um tempo bem restrito, e ele não sabia exatamente como encontrar essa mulher. Optou pelo modo mais rápido de resolver o problema – algo que a propaganda na tv chamava de “classificados”. Decidiu dizer o fundamental: “procura-se mulher disposta a fazer o Brasil ganhar o Hexa. Forneço acomodação e alimentação”.

Curiosamente, ninguém respondeu em cinco dias. Parecia um bom anúncio. Mas era Copa do Mundo, quem ia perder tempo lendo os Classificados? Todo o jornal era verde-amarelo. As pessoas só queriam ler o Caderno de Esportes. Era o princípio do fim. Seria, novamente, o culpado pela derrota do escrete canarinho.

Foi até a porta do prédio observar a alegria das pessoas. Coitadas. Não sabiam ainda que a Seleção não traria a taça dessa vez – e por causa dele. Sentou, cabisbaixo, na escada em frente ao prédio. Tudo perdido.

De repente, uma mala e um par de pernas femininas. Bem em frente a ele. “Oi, você sabe onde tem um hotel em que eu posso ficar só durante a Copa?”. Ele sorriu.

Deus é brasileiro e a Copa do Mundo é nossa. Mais uma vez.

Não aguento mais Copa do Mundo…

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *